terça-feira, setembro 12, 2006

Geração de atadinhos

Não há nada como estar no Porto para se poder ler o JN ao domingo de manhã e a revista do JN ao domingo à noite… Onde eu tenho morado nos últimos tempos este é um dos privilégios ao qual não se tem acesso sem: conduzir até Cornavin (estação central dos comboios) ou eventualmente até ao aeroporto…. E ainda assim, é preciso ter sorte para encontrar 1 exemplar do JN e estar disposto a pagar 7 ou 8 euos por ele.

Mas voltando ao JN… ou mais especificamente à revista do JN. Sempre que volto às origens, vou-me deleitando com a leitura folheando por entre crónicas, provocações (bem haja para o Manuel Ribeiro), artigos, horóscopo, etc, etc… a qualidade – como em tudo – varia e os artigos nem sempre são remarcáveis, mas esta semana um deles chamou a minha atenção – Isabel Stillwell num grande título:
“ESTAMOS A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ATADINHOS!”

Baseado num artigo da jornalista “Hara Marano” da revista Psychology Today, a “nossa” Isabel Stillwell fez uma excelente overwiew do estudo, mastigou os resultados e a digestão podem-se resumir em 10 pontos fundamentais a ter em conta quando se educam criancinhas.

Transcrevi para o texto abaixo algumas das recomendações fundamentais acrescentando-lhe ainda algumas notas de interpretação pessoal ☺ :


1. “As crianças precisam de se sentir infelizes de vez em quando” - na minha opinião principalmente quando nos estão a fazer infelizes a nós

2. “As crianças precisam de falhar” – não podia estar mais de acordo, principalmente se for falhar de nos acertarem com a maçã meia mastigada na camisa acabada de lavar e passar a ferro ou com o marcador de acetato no sofá

3. “Sem perseverança não há resultados” – depende de quem a criança for filha/filho... um pai ou mãe importante também tende a dar frutos rapidamente, principalmente no nosso país

4. “Eles não são frágeis” – nunca ninguém podia pensar uma coisa destas! Já todos os ouvimos berrar e o som não se parece nada com alguma coisa de muito frágil. Ou se recordarmos aqueles momentos maravilhosos em que as crianças se lembram de nos dar uma agradável puxadela de cabelos enquanto se riem como se fossem anjinhos ou como se tivesse alguma piada arrancarem-nos literalmente coiro e cabelo!

5. “Querem que os pais tenham outro hobby para alem deles” – meus amigos se os pais quisessem ter hobbies, não tinham tido filhos... os filhos são a desculpa socialmente bem aceite para se poder deixar de sair, ir ao cinema, ir ao ginásio, sair com as amigas/amigos, divertir-se de qualquer modo, ter hobbies ou qualquer outro propósito na vida que não seja cuidar dos filhos, preocupar-se com o bem estar dos filhos ou viver para os filhos

6. “Os filhos nascem ansiosos, mas os pais conseguem piorar a coisa” – qualquer adulto que inicia o projecto mentalmente são, ao final de 9 meses à espera tem que ficar ansioso, logo é impossível não passar ansiedade para a cria

7. “Se as crianças soubessem que cada um dos seus desenhos acabava colado no frigorifico dos pais, nenhuma se atrevia a arriscar expressar a sua veia artística e criativa” - há coisas tão mais giras para se colar no frigorifico do que desenhos indecifráveis

3 comentários:

jeenio disse...

acho que até teres um não vais perceber o gozo que é ser pai/mãe. não que eu perceba, mas para já os gatos dão uma amostra :)

ah, e parabéns! :)))) ***

Anónimo disse...

já te disse que estás a começar a resvalar para a lesbianice................... :p

Matta ari disse...

ainda bem que falas no assunto porque a revista ficou em tua casa! ai se não és tu a zelar pelos meus interesses!!!!! tss tss tss! O que seria de mim?!
Já tou com saudades!